quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Daniel Oliveira converte-se ao Islão!



Daniel Oliveira (1), grande adepto da islamização de Portugal, seguiu os passos do Abel Xavier (outra grande cabeça, não desfazendo), que se converteu ao Islão e agora se chama Faisal.
Mas, ao contrário do Abel, que se converteu porque de qualquer maneira a sua família já era muçulmana e meio árabe, o Daniel obedeceu a razões diversas.  
Damos-lhe a palavra:
-  Como toda a gente sabe, sou feio que nem um monte de esterco, e não há gaja nem gajo, nem cão nem gato que me peguem. Mas uma vez estava a beber whisky e a ver televisão, e reparei naqueles gajos da Arábia, com umas toalhas na cabeça. Ora os cabrões são quase tão feios como eu, e têm resmas de gajas em casa, basta-lhes comprá-las aos pais, ou no mercado de escravas mais próximo. E podem enfiar-lhes porrada à vontade. Além disso, vi que os gajos andam sempre com aquelas batas largas até aos pés, e sem cuecas. E logo eu, que sempre gostei de andar com os tomates e a pichota a abanar!  Não pensei duas vezes!
Desejamos-lhe boa sorte, e quando ele resolver explodir-se, sugerimos que o faça no meio dos seus camaradas, numa reunião do Bloco de Esquerda.

(1) - Se não conhece, o Daniel Oliveira de que falamos é aquele rapaz que escreveu estas páginas de antologia, dignas de Adolf Hitler: "Bem lhes podem fechar a porta. Eles entrarão pela janela. Felizmente tomarão conta das nossas cidades, como os portugueses que queriam viver melhor tomaram conta de Toronto, Joanesburgo ou Estugarda. E, se não fôssemos tão estupidamente arrogantes, até fariam qualquer coisa desta Europa aristocrata, falida e snobe. Se tivéssemos aprendido com a América, saberíamos que o futuro é dos melhores. E os melhores são os que partem. Espero que não se integrem na mediocridade nacional. Que venham muitos e façam disto um país."

Sem comentários:

Enviar um comentário

Chamamos a atenção para que comentários com ordinarices, insultos, má-educação, serão automaticamente aprovados. São especialmente bem-vindas ameaças de cargas de porrada, processos judiciais e tiros nos cornos. Grato!